No Brasil, é consenso que o ano novo só começa, de verdade, depois do Carnaval. Mais precisamente, na primeira segunda-feira depois da quarta-feira de Cinzas. Quando o Carnaval cai em março, custa um pouco mais. Já se deu conta de que o primeiro trimestre está quase terminando? Se você  esperou porque tende à procrastinação, talvez se sinta mal com isto, se culpando. Cá entre nós, a culpa não serve para nada, a não ser que seja  para mudar na direção do que você quer. Esta é, portanto, a  hora de você retomar os seus planos. Ou mesmo repensar se os que estão em andamento devem ser mantidos.  Então, o dia é hoje.  Não precisa esperar até segunda-feira para começar – ou retomar o planejamento

Foco e planejamento 

É importante se comprometer com o que for realmente valioso para você. Sucesso, reconhecimento social, realização profissional? Ou seus relacionamentos amorosos? Nem sempre se consegue manter o equilíbrio em todas as áreas da vida, o que  pode gerar muita angústia.

É preciso compreender também que há  coisas que não dependem diretamente da sua vontade, não estão sob o seu controle. Dependendo da circunstância, insistir não significa resiliência, nem persistência, e sim teimosia. Pode ser  perda de tempo, um gasto desnecessário de energia e que abala sua autoconfiança. 

No que depender de você, empenhe-se e tenha foco.  Talvez você precise de  ajuda psicoterapêutica para analisar sua situação com uma perspectiva  mais ampla , mais flexível e compromissada.

Comprometa-se com seus valores em 2019 

Mas pode ser que o seu problema seja  justamente  manter o foco. Em alguns casos, podem haver questões mais profundas, necessitando não só de acompanhamento psicoterapêutico mas também de uma avaliação médica. É importante fazer esta distinção. Alguns transtornos como depressão, ansiedade, ou mesmo TDAH, atrapalham e precisam ser cuidados para que se avance na direção do que se quer, do que é valioso.  É importante conhecer quais são os seus valores e também ter autocompaixão se perceber que se afastou daquilo que realmente é importante para você. Alguns valores são (ao menos temporariamente) incompatíveis entre si, você se aproxima de algum e se afasta de outro. E tudo bem. O maior problema é quando você age de forma compromissada  com valores  de outras pessoas e não seus. 

“Ser feliz dá trabalho”

Muitas de nossas travas pessoais  são apenas mentais, às vezes conceitos ou preconceitos que precisam ser revistos.  Amizades importam muito para o bem estar psíquico, promovendo conexão, afeto e outros valores.  Mas nem sempre se pode contar com a disponibilidade afetiva, distanciamento ou mesmo experiência, mesmo que dos  melhores amigos. Eles podem ficar  incomodados (ou assustados) com questões que, às vezes, optam por  não enfrentar em suas próprias vidas. E, por não estarem em uma relação profissional, tentam  consolar e  mostrar ‘o lado bom das coisas’. Por vezes, não conseguem  entender que está difícil para você ‘pensar positivo‘, o que aumenta o mal estar e a sensação de incompreensão. Assim, revelar a pessoas conhecidas suas experiências traumáticas, ou pensamentos e emoções negativas pode piorar o seu mal estar. 

Hora de procurar ajuda –  começando a psicoterapia

Talvez a ideia de recorrer  à psicoterapia ainda incomode, como se fosse um fracasso pessoal. Mas, está na hora de repensar este conceito, já que a saúde mental afeta sua vida como um todo.  Um processo psicoterápico  pode ajudar você a viver  sem idealizar tanto,  colocando expectativas realistas e aproveitando o que se apresenta agora.

Às vezes, tudo o que você precisa é falar, sabendo que quem ouve pode ajudar. Ouça-se. Experimente.

O futuro – quando chegar e se tornar presente – depende de ações que você tem hoje. Não estar com os pés no tempo de agora, no momento presente, faz perder o foco. Autoconhecer-se e trazer à tona  pensamentos e emoções que paralisam pode ser o necessário para que eles mudem ou percam sua intensidade. Ou fiquem ali, reconhecidos, mas já sem causar prejuízo e insatisfação com sua própria vida e suas escolhas. 

————–
Thays Babo é  Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, com formação em terapia cognitivo-comportamental (TCC),  pelo CPAF-RIO e extensão em ACT (Terapia de Aceitação e Compromisso),  pelo IPq (USP). Atende a jovens e adultos em terapia individual, terapia de casal e terapia pré-matrimonial,  em Copacabana.

 

2019 – agora vai?