O trailer de Amor sem escalas (Up in the Air), estrelado por George Clooney, não revela o que o filme é, na verdade, levando  à impressão de  que é apenas uma comédia romântica, de final feliz. Não é.  O filme traz questões existenciais. 

Algumas resenhas   focam na quantidade de milhas que o protagonista, Ryan Bingham, quer acumular – mas esta não é a principal questão. O merchandising é agressivo, mas faz parte. 

Recursos humanos na era digital

Ryan Bingham tem um emprego peculiar. Viaja o país inteiro preparando os funcionários de uma empresa para serem demitidos. Como passa a maior parte do tempo fora de casa, nunca se preocupou em ter um relacionamento amoroso.

https://www.youtube.com/watch?v=mAoLtBSNKC4

No entanto, apesar de desempenhar sua função muito bem, um dia a empresa resolve mudar. E a mudança ameaça seu emprego. De uma hora para outra, tem de engolir a nova funcionária, tipo gênio, que criou um sistema para demitir as pessoas. 

Hora da mudança

O filme traz o   confronto entre o velho e o novo, a liberdade e a segurança. O que a princípio parece uma grande vantagem, torna-se um fardo. 

Assistimos à mudança da relação entre o velho funcionário, resistente à mudança, e a novata.  A princípio são inimigos, ao longo das milhas, vão tendo aprendizados importantes.  Cada um tem de rever seus valores e suas relações pessoais – bem como a sua autoimagem.

Novos tempos

Apesar do título em português não dar a dimensão da importância do filme, ele incomoda, quando traz à tona a impessoalidade das grandes corporações, que querem maximizar os lucros sem considerarem seus empregados, os recursos humanos. 

Tendemos à robotização, a inteligência artificial se expande. E, ao mesmo tempo, aumentam os relatos de transtornos mentais.  

Thays Babo pratica meditação há 16 anos. Atende em Copacabana (e também on-line), a jovens e adultos em terapia individual, terapia de casal e pré-matrimonial.

Mestre em Psicologia Clínica, pela Puc-Rio, tem formação em TCC, extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso pelo IPq (USP) e é associada à ACBS (Association for Contextual Behavioral Science). 

Aterrissar ou arremeter?

5 ideias sobre “Aterrissar ou arremeter?

  • 28/01/2010 em 16:24
    Permalink

    Muito bons os seus comentários sobre o filme. Você é psicóloga? Entendeu o filme de maneira brilhante e adorei a sua descrição do final. “Ryan descobre que não há terra firme” é muito bom. E realmente. As escolhas que precisa fazer são para si mesmo. Achei o filme demais.

    Beijos!

  • 29/01/2010 em 16:24
    Permalink

    Oi, Ciro!
    sim, sou psicóloga… Não conheço ninguém que tenha desgostado do filme até agora. Ah, excluindo as ‘senhorinhas’ e ‘mocinhas’ que foram ao cinema esperando uma comédia romântica com George Clooney. Mas quem gosta de reflexão se supreendeu positivamente.
    Obrigada pelo comentário!
    bjs

  • 29/01/2010 em 16:24
    Permalink

    Up in the air sim porque, vc tem toda a razao, o titulo Amor sem escalas eh suspeito. Se a ideia era atrair um determinado tipo de publico, deram um tiro no peh. Ainda no cinema, observei algumas mulheres que saíam reclamando. No meu facebook, uma amiga escreveu um status mencionando a “chatice” do filme. Claro. Houve uma total frustração de expectativas.

    O filme me fez pensar muito, mas vi ali, em especial, uma séria questao de genero. A ele interessava o poder simbolizado por cartoes preferenciais, privilegios em hoteis, e as tais milhas que ele tanto planejou mais pareciam outra demonstraçao de poder. As milhas me lembraram a visao de Baudrillard sobre coleçoes. O colecionador (e ele era um colecionador de voos) age com paixao, pois a coleçao lhe confere um poder especial. Quando ele “acha” que encontrou uma mulher que pensa como ele, dah com os burros n’agua. Ela eh fake. Na verdade, ela, como as outras mulheres do filme (as irmãs, a funcionária nova) tem em seus relacionamentos a sua maior prioridade na vida, ainda que Alex buscasse uma fuga do tédio à la Madame Bovary. A funcionaria nova soh entrou na empresa dele porque seguiu o “amor da sua vida”. Quando ela descobre que o tal “amor da sua vida” nao a ama de verdade, ela se sente livre para buscar outro caminho profissional. Ficou a duvida. Sera que ela se trasformarah num Ryan de saias? Nao creio. Apostaria num novo investimento amoroso no medio prazo.

    Uma outra linha de pensamento interessante provocada no filme eh a questao do trabalho. Alguem diz no filme que a dor da demissao do emprego equivale a uma morte na familia. Mas ele, o demitido, se sentia como ele proprio houvesse morrido. O trabalho do personagem de Clooney era quase que o de um medico que deveria dar uma noticia ruim aos familiares do seu paciente. Como fazer isso atraves da video conferencia? A cultura norte americana que tende a mercantilizar tudo parece encontrar um limite. (serah???). Talvez nao seja mesmo possivel mercantilizar qualquer tipo de serviço. E esse era, para mim, o maior paradoxo do filme. O personagem de Clooney sabia da importancia dos relacionamentos, mas preferia a zona de conforto que o seu trabalho lhe proporcionava, e, claro, o poder. Entra a questao que todas nos fazemos sempre: medo da perda? Medo de se relacionar seriamente? Medo da rotina? Medo de perder o poder? Aí, jah eh um territorio seu.

  • 29/01/2010 em 16:24
    Permalink

    Uau, Solange, muito bom o que você levantou… Acho que você vai ter de abrir uma seção no seu blog para analisar filmes, hein?

    Quando ao bovarismo da Alex, é quase isto… fuga ao tédio, busca por um parêntesis. Mas a Bovary do livro se iludia, achava que viria princípe encantado. Nos dias de hoje, a Alex era tão prática que nem isto esperava. E até se surpreende quando ele bate à porta. Não dá também pra comparar com o tédio da Belle du Jour, que não tinha vida profissional, vivia em função do marido e não queria substitui-lo. Acho que Alex inaugura um tipo novo de heroína. Na verdade, uma heroína que não agradou à maioria das espectadoras… rsrsrs

  • 29/01/2010 em 16:24
    Permalink

    Bom ponto. Essa mulher continua entediada, mas menos romantica (diferente de Bovary) … Já se deu conta de que o principe nao existe (preciso ver de novo para lembrar o que ela disse para a menina, consolando-a quando o namorado dá o fora nela).

    E nisso vc tem razao – aquela eh uma cena-chave do filme. Acho que muita gente achou, naquela hora, que ela fosse se surpreender e abraçá-lo e que “viveriam felizes para sempre”. Acho que foi aí a melhor parte do filme! Houve um choque de realidade que as Madames Bovarys de plantao tiveram dificuldade de assimilar… soh lhes restou praguejar no cinema…hehehehehe!
    Bj.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.