O telefone celular causou uma revolução na comunicação – e consequentemente nos relacionamentos amorosos. Mas foi a partir da popularização do smartphone que as mudanças se aceleraram. Aumentaram as  possibilidades de aproximação e contato interpessoal, com consequências “pro bem e pro mal”.

No entanto, jovens nascidos na era digital parecem ter perdido algumas habilidades sociais básicas.

Há os que nem fazem ideia de como era ter um telefone analógico em casa. Acostumados a se comunicarem por mensagens de texto, fazerem pesquisas no Google e pedidos nos aplicativos,  restringem contatos pessoais, face a face. As novas gerações também têm apresentado mais problemas de saúde mental – incluindo  depressão e ansiedade.

O contato pessoal pode disparar a ansiedade

Em função do (mau) uso que fazem de seus smartphones, alguns jovens relatam grande ansiedade ao receberem um telefonema, preferindo a comunicação por Whatsapp ou outro messengerConsideram uma ‘intimidade’ forçada, principalmente quando não conhecem muito bem a pessoa.

Pais e mães se queixam da recusa de seus filhos e filhas em atenderem suas chamadas. Às vezes deixam tocar e mandam uma mensagem texto. Em especial, os telefones fixos sem identificador de chamadas tendem a sumir. A ansiedade de não saber, previamente, quem está do outro lado da chamada, a sensação de ‘invasão’ faz com que muitos prefiram se comunicar por mensagens de texto, via whatsapp ou messenger (na língua inglesa,  já virou verbo: texting).

O diagrama abaixo parece piada mas representa a atitude de muitos jovens frente a ligações telefônicas. 

regras telef

Habilidades sociais perdidas

Quem recusa atender a uma ligação  telefônica muitas vezes quer  ter o controle. Pode ser uma relação de poder (principalmente no início de um relacionamento amoroso), de não se mostrar muito disponível. Ou ainda para “se preparar” para a conversa. 

Porém, ao  evitar a espontaneidade da interação imediata, algumas habilidades sociais básicas se perdem. E algumas informações que são importantes para um relacionamento também são perdidas – o tom de voz de quem está do outro lado pode dar sinais importantes da qualidade da relação. Mas para ouvir a outra pessoa, é necessário expor sua vulnerabilidade também.   

Outras consequências do excesso do celular

Além de impactar nas relações interpessoais e restringir habilidades sociais, o uso excessivo do celular traz também impactos  físicos, como,  por exemplo, a síndrome causada pela má postura do pescoço. Também é comum a queixa de tendinite, pela digitação excessiva de mensagens e posts.

celular pesc

Em termos cognitivos, a capacidade linguística é afetada: para a comunicação ser rápida, a linguagem é simplificada. Tanto a interpretação de texto e a  grafia podem ser prejudicadas e atrapalhar a interação, gerando conflitos desnecessários.

Como se comunicar na era digital

É praticamente impossível não usar os smartphones. Portanto, é importante aprender a lidar com a tecnologia de forma equilibrada. Para isto, são necessários limites para si – por exemplo, controlando a própria ansiedade e desligando o celular de vez em quando para ficar mais presente nas relações próximas.

Exemplo familiar

Pais e mães devem discutir  mudanças de comportamento,  – como por exemplo, deixando os telefones desligados em momentos de interação como as refeições em família. Ou um horário máximo para que todos em casa desliguem seus celulares da internet.

Mas, para conseguirem colocar limites, pais e mães precisam dar exemplo. Responsáveis por crianças pequenas têm de resistir à tentação de não usarem os celulares como babás digitais – o que prejudica demais o desenvolvimento da criança. 

Gerenciando o uso do smartphone

Deixando a visão apocalíptica de lado, é importante reconhecer os inúmeros benefícios da tecnologia e aprender a  gerenciar o uso do smartphone para ficar com os benefícios e restringir os prejuízos. Assim, a consultora de tecnologia Tchiki Davis elenca, na revista  Psychology Today,  6 maneiras para não deixar que isto aconteça:

1. Não substitua  as interações face-a-face por interações eletrônicas – algumas medidas são simples como, por exemplo, ao invés de se isolar, vendo séries (no celular, computador ou TV), convidar amigos para ir ao cinema. Manter as amizades não apenas as acompanhando nas redes sociais, dando “likes“: efetivamente demonstrar o quanto se gosta da companhia, marcando para encontrar. (No caso do Brasil, no momento, infelizmente a economia e a violência urbana dificultam, mas sempre há como pensar alternativas)
2. Não use seu smartphone enquanto estiver com outras pessoas – particularmente difícil, é uma medida extremamente necessário. Quando somos nós que fazemos isto acreditamos que não nos distraímos mas, quando alguém faz isto conosco, tendemos a ficar incomodados, nos sentindo desprestigiados. E também há estudos de que as interações são menos prazerosas. E, no mínimo, menos mindful.
3. Mantenha seu telefone fora de vista durante conversas significativas – com seu alto poder de distração, a mera presença do smartphone no ambiente pode prejudicar a qualidade da comunicação interpessoal, por reduzir a empatia e a atenção, dentre outras qualidades importantes para uma boa interação pessoal. Em conversas íntimas, ao compartilhar algo importante e íntimo, a pessoa pode ficar bastante triste ao perceber que você não está 100% presente.
4. Não deixe seu smartphone impedir você de se relacionar com estranhos – na contramão do que os pais costumam dizer aos filhos pequenos, Tchiki Davis comenta o quanto socializar com estranhos é importante. O olho no olho faz diferença. Em transportes públicos, percebe-se que este contato visual diminuiu – praticamente a maioria está com seu celular na mão respondendo mensagens ou assistindo vídeos e lendo notícias. Além disto, aplicativos como o GPS e WAZE também diminuem a urgência do contato interpessoal. Fazer perguntas a  estranhos na rua, para se informar sobre um caminho,  praticamente não acontece mais – o que não é necessariamente bom, por reduzir as experiências e as interações humanas.

ilhas

5. Se você estiver on-line, seja ativo/a – muitas pessoas navegam e veem conteúdo nas redes sociais sem efetivamente interagir, sem deixar rastros. Assim, a rede social não cumpre a função de conectar as pessoas – e conexão é uma necessidade do ser humano, como animal social que é.
6. Em caso de dor, conecte-se com as pessoas pelo smartphone – apesar de parecer paradoxal a princípio, quando não há acesso às pessoas significativas próximas, é importante que se tenha a quem recorrer em situações de dor.

Ainda que algumas destas sugestões possam parecer difíceis de adotar, são extremamente úteis para preservar relacionamentos interpessoais. Também ajudam a manter algumas habilidades sociais importantíssimas. Assim, apesar de terem sido dirigidas aos mais jovens, pessoas de todas as idades podem se beneficiar delas. 

Avalie o seu uso de redes sociais, como Facebook e Instagram, bem como de  outros aplicativos. Se perceber que afetam o seu humor, aumentando a ansiedade ou trazendo pensamentos depressivos, se diminuem os seus relacionamentos interpessoais, não hesite: procure ajuda psicológica. 

______

Thays Babo é psicóloga e Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, na linha de Família e Casal. Com formação em TCC e extensão em ACT, atende em Copacabana a jovens e adultos, em terapia individual, terapia de casal e pré-matrimonial.

Smartphone e os impactos na saúde mental
Tags:                                                             

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.