Sendo seres humanos, fomos dotados da linguagem e da habilidade de comunicação. Desde o nosso nascimento, fomos treinados a nos comunicar. Carregamos muito do estilo dos nossos cuidadores iniciais, em geral, da nossa família de origem.

O modo com que você se comunica afeta todas as áreas da sua vida: profissional, familiar, amizade. Também irá influir na sua relação amorosa. E, dependendo do estilo, há quem consiga ter problemas em todos os ambientes do seu dia-a-dia.

Estilos de comunicação

O estilo de comunicação pode ser agressivo, passivo, passivo-agressivo ou assertivo. Muitas pessoas simplesmente não se dão conta da forma com que se expressam (ou não) verbalmente.

Reconhecer o seu estilo de comunicação torna possível melhorá-lo para que suas relações interpessoais sejam mais harmônicas. E sua vida mais satisfatória.

Nem sempre será fácil, pois os estilos são aprendidos e repetidos por muitos anos. Tempo e esforço – ou melhor, consciência – são necessários para mudar tais padrões.  E a psicoterapia pode ajudar. 

O treinamento da habilidade de comunicação é central nas terapias cognitivas

Além do estilo de comunicação, também há erros cognitivos que podem influir na comunicação e no comportamento.

Um deles, por exemplo, é a leitura automática de pensamentos. a psicoterapia, muitas vezes, o/a psi precisa verificar: “Mas… você comunicou isto? Expressou o que estava pensando?” ou “Expressou seu sentimento?“. Muitas vezes, presume-se (erradamente) o que a outra pensou. Ou espera-se que os outros adivinhem seus pensamentos, sentimentos e desejos. 

Comunicação da família de origem

Nas famílias em que o estilo de comunicação  agressiva predomina, alguns membros se tornam muito agressivos também – para se defender e contra atacar.

Porém, há quem adote o estilo passivo: não enfrentando mantém a paz. Esta escolha pode ser por dependência ou mesmo por sobrevivência – em especial nos relacionamentos abusivos.

Estilos de comunicação:  agressiva, passiva, passivo-agressiva

A comunicação pode ser entendida como um continuum: em uma extremidade, tem-se a comunicação passiva; na outra, a comunicação agressiva. O “caminho do meio” seria a comunicação assertiva. Mas há ainda um quarto modo: a comunicação passivo-agressiva.

Pessoas agressivas, em geral,  intimidam e impõem sua vontade. Ganham ‘no grito’, por encontrarem muitas vezes, à sua volta, pessoas passivas que se submetem. Não atraem simpatia. Podem ter sua ascensão profissional prejudicada.

Quando a pessoa agressiva encontra uma outra igual a ela, o clima pesa e os outros, ao redor, sofrem com a disputa… Crianças ficam assustadas. E muitas vezes reproduzem este estilo fora de casa – na escola, por exemplo.

Apesar de muitas pessoas não se darem conta, a ironia também pode ser bem agressiva – mesmo que o tom de voz não se altere – dependendo do contexto. É bom prestar atenção na reação das pessoas. Já a agressividade e a passividade são estilos mais evidentes.

Passivo-agressivo

É mais difícil identificar o passivo-agressivo: às vezes, sua forma de revidar nem vem ao conhecimento imediatamente. É uma sabotagem aqui que se faz, uma casca de banana ali, sutil… Aparentando passividade ou até ‘pacifismo’, em algum momento, a pessoa “dá o troco”.  Ao invés de se posicionar, confrontar ou expor seus sentimentos, ‘sabota’.

Exemplos: no trabalho, pode atrasar a entrega da sua tarefa, prejudicando a pessoa agressora. Faz corpo mole, não se compromete e acaba por prejudicar quem o humilhou.

Numa relação amorosa, pode trair, só para ‘dar o troco’ – claro, tudo muito veladamente, pois foge da confrontação. No silêncio, faz coisas que minam o cotidiano.

Há quem seja passivo-agressivo sem se dar conta, sem estar consciente de seu modo de ser, agir e falar. Seus comportamentos  podem, por fim, afastá-la das pessoas ou gerar conflitos mais graves.

Assertividade

O modo ‘saudável’ de comunicação é predominantemente assertivo, com  comunicação clara e objetiva, em que se expressa a opinião e seus sentimentos. A pessoa assertiva também se abre para escutar, aceitar sugestões e recusar as que não são razoáveis. Recusa o que não estiver de acordo com os valores pessoais. 

Mas a assertividade não é tão fácil de desenvolver espontaneamente. Afinal, para ser  assertiva, a pessoa tem de colocar  limites, correndo risco de desagradar. Há quem tenha tanto medo do confronto,  de rejeição e abandono (principalmente quem tem os esquemas de privação emocional. Porém, não adotar este estilo, a longo prazo, terá  alto custo emocional. 

Apesar de a assertividade parecer, à primeira vista, o melhor modo sempre, em algumas situações, é importante se ter uma atitude passiva. Como por exemplo em situações de violência (como um assalto ou violência doméstica). A sobrevivência deve ser a prioridade. Coloque-se a salvo antes, peça ajuda. 

A psicoterapia promove um estilo de comunicação mais saudável

Em um processo de psicoterapia, você  desenvolve autoobservação Aprende a regular suas emoções, a ter autocontrole. Primeiramente, suspende seu autojulgamento. Passa a se autoobservar, com autocompaixão.

Pergunte-se: o modo como você fala  ajuda você a se aproximar dos valores que deseja na sua vida ou o afasta deles?

Se você costuma ser a pessoa crítica, mesmo que de forma suave,  precisa saber que raramente as críticas funcionam. E muitas vezes magoam.

O treino de habilidade de comunicação ajuda você a compartilhar a sua emoção, ao invés de focar no comportamento do outro. Quem se sente criticado, em geral, se fecha, não muda.

A comunicação não violenta predispõe ao diálogo. Aumenta a sua chance de se fazer ouvir e conseguir o que precisa.

Procure ajuda especializada, faça psicoterapia.  

Referências Bibliográficas: 

Del Prette, Z. A. P; Del Prette, A.. In: Haase, V. G. Psicologia do desenvolvimento: contribuições interdisciplinares. Belo Horizonte: Editora Health, 2000. 

Portella, M. Estratégias de ths: treinamento em habilidades sociais.

____
Thays Babo é psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, na linha de Família e Casal. Tem formação em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) pelo Cpaf-Rio. Cursou a extensão em ACT (conhecida no Brasil como Terapia de Aceitação e Compromisso), no IPq-USP.

Atende em Copacabana, a jovens e adultos, em terapia individual, de casal ou pré-matrimonial. Mas, durante a pandemia de coronavírus, atendimento apenas online.

Comunicação: desenvolva esta habilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.