Um dos primeiros aprendizados que se faz na psicoterapia é dar limites, a não deixar que invadam a sua vida e a mudem na direção do que você não quer ser ou fazer.  Nem sempre é fácil, se é um padrão de muitos anos.

É  ainda mais difícil quando se precisa impor  limites às figuras parentais – pai e mãe.

Relação parental

A cultura sempre diz que pais e mães são perfeitos. Dizer ‘não’ pode trazer culpa e outros sentimentos ambivalentes. Mas e se o pai ou mãe não tiverem sido nem um pouco o que se espera deles, não tiverem sido pais suficientemente bons? Pode-se virar as costas e ir em frente? E ainda assim ser feliz?

Resenha

Limites retrata  as dificuldades de  Laura (Vera Farmiga) em lidar com  um pai  nada convencional (Christopher Plummer, perfeito). Logo de cara, percebe-se que o problema é antigo e que gera culpa: o filme  começa com Laura na sessão de terapia. Parte da crítica americana detonou o filme, achando que abusa de clichês, inclusive do road movie apesar dos elogios ao elenco. Quando se percebe, está se torcendo para o “bandido”. Mas, afinal, será que o “bandido”  é tão bandido assim?

O filme pode ser ótimo para se falar sobre valores, família (relações parentais, relação entre irmãs, com filho, com ex marido), sobre envelhecimento, rigidez, perdão,  abandono, escolhas erradas, bullying, drogas, mudanças, abertura… Muita coisa para um filme só? Pode ser.  Mas abre bons questionamentos também. 

Se não quer estragar um pouco a surpresa do filme, não assista ao trailer, que adianta muita coisa do roteiro

O que se aprende neste filme?

Limites são necessários, mas a rigidez em excesso pode impedir muita coisa boa de acontecer, muitas histórias de serem ressignificadas. Aprendizados como o de Laura também acontecem em   terapia: aprende-se a desenvolver flexibilidade, manter o bom humor e ternura, rever o que se passou.

Muita coisa pode ser mudada, mesmo com pessoas aparentemente impossíveis.

Ou você pode mudar, para lidar com situações em que não consegue mudar – sem necessariamente se esquivar delas.

Procure ajuda psi, fale sobre o que lhe incomoda e perceba o quanto você pode ir em frente, ou não, sem se perder de si mesmo/a.

_______________

Thays Babo é psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio. Com formação em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) e extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT), atende em Copacabana  a jovens,  adultos e idosos, em terapia individual, de casal ou terapia pré-matrimonial.

Limites – o que você precisa aprender sobre eles
Classificado como:                        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.