Apesar de se falar cada vez mais sobre a importância de cuidar da saúde mental,  o preconceito contra a psicoterapia resiste. Preconceito tem tudo a ver com desconhecimento e ignorância. Que tal se informar melhor  sobre o que a terapia não é?

Sem sombra de dúvidas, pode-se dizer que psicoterapia não é

  1. pra gente maluca;
  2. pra quem não tem amigo(a)s;
  3. pra quem “não tem Deus no coração“;
  4. pra quem não sabe o que quer;
  5. pra quem não tem mais o que fazer na vida
  6. pra gente fracassada.

Há quem ache que psicoterapia é ótimo – para qualquer outra pessoa, menos para ela mesma, que se considera “perfeita”. Assim, é muito bom quando pessoas bem sucedidas – como artistas, celebridades ou atletas, como Michel Phelps, vêm a público dizer que buscaram ajuda psicoterapêutica em algum momento difícil, tendo assim conseguido superar fases mais complicadas.

A psicoterapia promove o autoconhecimento e também a aceitação das diferenças, melhorando os relacionamentos  de todos os tipos (amorosos, familiares e profissionais). É um tipo de cuidado com a sua saúde mental e fazer boas escolhas, tornando a sua vida mais valiosa.

Psicoterapia é também para quem tem amigos e família

Um dos mitos sobre a psicoterapia é que ela seria apenas para quem ão tem amigos ou família. Mas ter amigos ou família pode não ser o suficiente. É preciso expertise para lidar com algumas travas pessoais – que, muitas vezes, são apenas mentais. Algumas das crenças limitantes que perturbam a nossa vida muitas vezes vêm justamente da rede familiar ou de amigos. Trazem muito sofrimento desnecessário.

A importância das amizades para o bem estar psíquico

A conexão e afeto são necessidades básicas de todos os seres humanos. Por isto ter amigos faz um tremendo bem para a saúde mental.  Mas nem  o melhor dos  amigos tem disponibilidade total (inclusive de tempo), distanciamento ou mesmo experiência para poder ajudar você a passar por todos os seus problemas. Alguns são muito pessoais e eles mesmos não conseguiriam resolver em suas próprias vidas…

Foto de Duy Pham em Unsplash

Quando se passa por uma crise mais profunda – em caso de depressão, por exemplo, às vezes, as pessoas amigas tentam consolar e  mostrar ‘o lado bom das coisas’, sem entenderem que está difícil para você ‘pensar positivo e que este tipo de conselho mais irrita do que ajuda.

Afinal, amigos têm suas próprias limitações pessoais. Podem ficar impactados ao ouvirem suas queixas mais profundas. Ou se sentirem incomodados com questões que não encaram em suas próprias vidas. Como lidar com as emoções mais pesadas que eventualmente temos? Por isto é importante ter alguém que esteja em uma posição diferenciada, sem que você tenha medo de se abrir e sofrer críticas ou julgamentos. O setting terapêutico é um bom lugar para você acessar a sua vulnerabilidade, aprender a lidar com ela e até poder falar sobre ela, depois, com as pessoas que você ama.

Terapia é pra todo mundo

Na verdade, terapia é para todo mundo mas as razões para buscar ajuda psicológica são muito diferentes. E podem variar, para a mesma pessoa, em épocas diferentes da vida. É muito bom quando se pode fazer preventivamente, antes de se estar “por um fio”, à beira de um surto ou já no meio de uma crise de ansiedade ou de depressão.

Em algum momento da vida você deveria experimentar, se é que ainda não tentou. Há pessoas que fazem um tempo, com um foco específico. E depois param, voltando apenas quando aparece uma questão com que não sabe lidar.

O mal estar pode aumentar, com a sensação de incompreensão. Poder se abrir e revelar a pessoas conhecidas suas experiências traumáticas, pensamentos e emoções negativos – às vezes até a ideação suicida – pode ser muito difícil. E, ao se calar – e se isolar – a situação pode se agravar, ficando mais angustiante.

Psicoterapia não é coisa pra gente doida. É para gente valente, que acredita na sua própria responsabilidade de levar sua vida em frente – apesar das dificuldades que surgem.

A família real britânica vem há alguns anos alertando para a importância de cuidar da saúde mental – em particular sobre depressão. Se nobres têm problemas de ordem psi, talvez seja mais fácil aceitar que você também pode ter.

Se há um certo desconhecimento ainda em relação à psicoterapia individual, pode-se inferir que este seja ainda maior em relação à  terapia de casal. Os relacionamentos amorosos são cercados de crenças românticas que dificultam que os casais em crise busquem ajuda especializada para superarem problemas.

Se você rumina pensamentos  autodepreciativos, se você pensa em desistir de tudo, inclusive de viver, procure ajuda. Encare o projeto de uma ajuda de médio e longo prazo: o quanto antes comece (ou retome psicoterapia). Dê-se um crédito.  

Mas, mesmo que você não identifique agora a sua “grande questão”, o autoconhecimento é fundamental para se tornar uma pessoa melhor e mais realizada.  Os gregos já diziam: “Conhece-te a ti mesmo“. Eles sabiam das coisas.


Thays Babo é Psicóloga e atende a jovens e adultos em terapia individual, de casal e pré-matrimonial,
em Copacabana ou on-line.

Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, tem formação em TCC, extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso pelo IPq (USP), e é associada à ACBS (Association for Contextual Behavioral Science).

Para que fazer terapia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.