Há uma estreita relação da saúde mental com a saúde física. Como mente e corpo não se separam, você deveria cuidar de ambas. Mas, não tem sido assim. Na  era  digital, muito se prioriza a  estética, a imagem e os  padrões de beleza vigentes, com altos investimentos em  dietas mirabolantes, tratamentos estéticos,  maquilagem e até cirurgias. Pode-se gastar tanto,  ao ponto do endividamento, que a  saúde mental fica até prejudicada. Mas, o que vem antes? 

As redes sociais e a saúde mental

Influenciadores digitais no Youtube, Facebook e Instagram, enriquecem com a hipervalorização da imagem (ainda que todo  mundo já saiba que não se pode  confiar em nenhuma imagem postada). Por isto, cada vez mais pesquisas apontam   redes sociais têm afetado muito a saúde mental.Ain  assim, ignorando conscientemente o uso excessivo dos  programas de edição de imagem, as pessoas se sacrificam com  dietas da moda – sem eficácia a longo prazo -, bem como com medicamentos inibidores de apetite  ou exercícios em excesso.  Ao se compararem com as celebridades, se desesperam com a própria imagem. Tentam cuidar da  aparência,  sem cuidar da  mente – seja por preconceito ou vergonha.

Cuide do seu corpo, sim, mas não esqueça da sua mente. O que ela pensa afeta o seu corpo
A preocupação com a estética do corpo muitas vezes suplanta a que se deve ter com a saúde – seja física ou mental – foto de Jennifer Burk at Unplash

Infelizmente, de nada adianta ser esteticamente muito atraente se, internamente, você está um caco, descompensando diante de qualquer coisa que dê errado – ou que não dê frutos tão rapidamente como se espera.

Mens sana in corpore sano

O poeta romano Juvenal disse: “Deve-se pedir em oração que a mente seja sã num corpo são“.  Orações, apenas, não bastam. Sua saúde mental afeta sua vida como um todo. É preciso compromisso com seus valores. E o autocuidado deve ser um deles. 

Nos cursos de graduação,  corpo e mente são tratados separadamente, não havendo  um olhar filosófico e sim muito mais utilitarista. Muitos profissionais da Medicina deixam de fora a questão emocional – em parte porque não são preparados para lidar com elas (e às vezes mal lidam com as suas). Aqueles que conseguem perceber  que as emoções afetam seus pacientes eventualmente indicam  para psicoterapia ou para a psiquiatria. Mas muitas vezes não insistem pois encontram resistência, já que há ainda  preconceito. E aí, infelizmente, podem manter o quadro, já que a causa inicial não foi tratada.

Psicofobia

Mesmo entre pessoas de boa escolaridade,  há quem ainda acredite que psicoterapia seja para gente ‘maluca’, ‘sem amigos’, ‘que não tem mais o que fazer’.  Portanto, é ótimo quando pessoas bem sucedidas vêm a público dar testemunho de suas histórias pessoais e do seu processo de psicoterapia. 

Na palestra TED,  a seguir,  Guy Winch, Doutor em Psicologia, aponta a necessidade de termos mais cuidados com nossa saúde mental. Obviamente,  cuidados físicos são necessários, inclusive para nossa sobrevivência.  Mas não se pode continuar deixando a  saúde mental – tão importante quanto à saúde física – relegada a um segundo plano. 

Winch fala da importância de uma higiene emocional, ou seja, uma especial atenção ao tipo de pensamentos que se têm. É importante, segundo ele, parar de  alimentar pensamentos auto depreciativos e derrotistas, por exemplo, o que contribuiria para  reduzir  transtornos como a depressão. Em um autorrelato,  ele mostra como muitas vezes  a pessoa nem se dá conta de que os pensamentos alimentados nem são verdadeiros.  Winch também aborda o mau hábito mental  de ficar repassando cenas ou falas (comportamento conhecido como   ruminação) e aponta a necessidade de eliminá-lo.

Higiene emocional e a saúde mental

Mas, como fazer isto? Reconhecer este tipo de pensamentos e o quanto eles são inadequados é difícil para quem já os mantêm há muito tempo. A falta do distanciamento para observar este padrão disfuncional também dificulta.  Abordagens psicoterápicas como a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)  e a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) facilitam bastante  a conscientização sobre o que se pensa e também sobre a utilidade do que se pensa. Muitas vezes, a meditação será um bom auxiliar do processo. 

Autocuidado o ano inteiro

Por conta da melancolia que muitas pessoas sentem durante as Festas de final de ano, especialistas deram algumas dicas para autocuidado  – mas elas devem ser aproveitadas o ano inteiro. No Brasil, com a proximidade do  Dia dos Namorados, data também que pode provocar tristeza, é bom ficar alerta e  mudar o foco? Eles aconselham a

  • Ter gratidão – pelo trabalho (ainda que estressante), pelas relações (ainda que tensas, mas que são importantes no resto do ano) 
  • Dizer ‘não’, quando realmente achar que não vai ser uma boa companhia. Respeite-se e esteja consciente das suas necessidades. 
  • Exercitar-se – caminhadas no shopping não contam como atividade física que, comprovadamente, ajuda a melhorar o humor. Médicos têm indicado 150 minutos de atividade física por semana – no mínimo
  • Detox digital –  reduzir o consumo de mídias sociais (especialmente o Instagram) pode aumentar o bem estar. 
  • Ter abertura para novas tradições – e tire o foco de você,  ajude outras pessoas. 
  • Cuidar da   alimentação – observe as desculpas que você se dá para exagerar. E, se antes de eventos,  você comer algo  chance de comer compulsivamente diminuirá  

Fica a dica. Mas se você não está conseguindo fazer nada disto, por conta própria, considere experimentar a psicoterapia. Ela pode ajudar a mudar hábitos, observando seus padrões mentais e lidando melhor com eles, com mais autoaceitação e autocompaixão. Desta forma, você poderá se comprometer com seus valores e agir de forma a ter maior realização pessoal. 

————–
Thays Babo é Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, com formação em TCC pelo CPAF-RIO e extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso pelo IPq (USP). Atende a jovens e adultos em terapia individual, pré-matrimonial ou de casal, em Copacabana

Saúde física vs saúde mental qual a prioridade?

2 ideias sobre “Saúde física vs saúde mental qual a prioridade?

  • 03/06/2019 em 16:24
    Permalink

    As mídias sociais exercem cada vez mais influência sobre o modelo de beleza, mesmo em detrimento da saúde mental. O aumento da bulimia e outras mazelas são consequências disso. Essa inversão de valores é perigosa. Além de prejudicar a qualidade de vida dos que seguem a beleza a qualquer custo, podem pagar muito caro por isso.
    Desculpe, Vinícius, mas saúde mental é que é fundamental.

  • 10/06/2019 em 16:24
    Permalink

    obrigada pelo comentário, Eduardo, eu também me preocupo com a maior preocupação na estética e na beleza do que em outros valores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.