Se nossos bisavós pudem reaparecer nos dias atuais, ficariam assustados com os novos relacionamentos amorosos, principalmente com os namorados atualmente. Muito do que os jovens fazem hoje só era ‘permitido’ a partir da lua de mel. Aliás, os bisavós nem conheciam a terapia de casal e se surpreenderiam com o surgimento da terapia pré-matrimonial. Em qual contexto ela surgiu?

Casais de namorados hoje têm muito mais intimidade do que era permitido a seus pais ou avós. Podem passar dias inteiros juntos,  viajar. Isto pressupõe, na maioria das vezes, ter intimidade sexual. Sexo  só era permitido na lua de mel e, às vezes, ainda havia um certo controle para saber se a noiva era virgem. Felizmente, este controle já não é mais assim tão exagerado.

Assim, ainda na fase do namoro, já conseguem perceber as dificuldades e diferenças no convívio a dois, diário. Em dúvida se devem ou não formalizar a relação, cada vez mais, casais jovens recorrem à terapia pré-matrimonial.

Por que tanto medo de não dar certo?

O número de divórcios cresce a cada ano no mundo todo. No Brasil, dados do IBGE mostram que 1 em cada 3 casamentos termina em divórcio. O medo de fracassar ou de  não conseguirem ser “felizes para sempre” pesa.

Muitas vezes, tais medos  se relacionam  com o que cada um vivenciou na relação de seus pais. Se pai e mãe viviam (ou ainda vivem) infelizes, uma das duas pessoas (ou ambas) pode temer repetir a infelicidade parental. 

Por outro lado,  pais muito harmonizados, que passaram a imagem de casal ‘perfeito’, também podem causar a insegurança.

Às vésperas de assumirem o compromisso, os jovens se perguntam: “será que eu também conseguirei ficar casado/a ‘para sempre‘?”.  

Então, tanto pode ser o medo de ser abandonado/a ou traído/a como também o medo de não ser perfeito/a.

Cuida-se muito da cerimônia – mas nem tanto da relação

Milhares de reais são gastos com os preparativos da cerimônia de casamento. Mas muitos casais não tem a mesma  boa vontade em investir e cuidar da saúde da relação.

Não são raros os casais que se separam antes mesmo de quitarem as despesas assumidas com festa. 

E o que impede de procurar ajuda psicoterapêutica antes, para fazer ajustes antes do casamento? Apesar de algumas pessoas alegarem questões financeiras, o  estigma parece ser o principal fator. Este estigma contra a terapia  também tem a ver com crenças do amor romântico.

Amar pode não ser o suficiente“, como disse o criador da Terapia Cognitiva, Aaron Beck, para enfrentar os desafios que se apresentam na convivência diária, íntima.

Aliás, será que se é capaz de  dar e receber amor? Esta capacidade está ligada  fundamentalmente com o quanto se recebeu de amor. Quem tem  as necessidades mais básicas supridas, na família de origem, terá mais facilidade de amar e dar amor.

Mas, romanticamente,  se espera é que o/a parceiro ame incondicionalmente e suporte as adversidades. Que seja um par perfeito. 

Comunicação – a chave para a qualidade da relação

A qualidade da comunicação conjugal pode sinalizar  necessidade de ajuda psicoterapêutica,. Se  predominantemente agressiva ou sarcástica, o sinal já está vermelho. Ou quando o casal cada dia se comunica menos.

A Terapia Pré-Matrimonial aumenta as chances de um relacionamento mais satisfatório. Nela, além de se trabalharem as habilidades de comunicação, o   par amoroso entende e deixa claro para si

  • O que atraiu no/a parceiro/a;
  • O que esperam do casamento em si e da vida a dois;
  • As expectativas de cada um. Ter filhos ou não (se sim, como educar?), como lidar com as finanças? o que é considerado infidelidade?  como serão divididas as tarefas domésticas? o quanto de proximidade/distância em relação à família de origem? 
  • O que esperam da vida sexual. Por mais que haja maior liberdade, ainda é difícil, para muitos casais, deixar claras as expectativas de fidelidade ou não, de frequência de relações, fantasias etc. Também se pode falar de traumas passados. 
  • Quais valores orientam cada um e quais são os do casal?
A terapia em si

Atualmente, algumas abordagens são integradas, tanto na na Terapia de Casal como na Terapia Pré-Matrimonial: a Terapia Cognitivo-Comportamental, a Terapia do Esquema para Casais e a Terapia de Aceitação e Compromisso conversam bem entre si.

Eventualmente o/a psi solicita sessões individuais, programadas em comum acordo, logo no início do processo de terapia). Há tarefas entre consultas e é importante que ambas as pessoas se comprometam em fazê-las. Também são treinadas habilidades de comunicação (escutar atenta e compassivamente, e também a falar sobre o que incomoda, de forma objetiva, de forma não violenta). 

Finalizando: é necessário que  ambas as pessoas  entendam a importância do tratamento e se comprometam a comparecer juntas nas sessões. E também a executarem as tarefas entre sessões. O grau de adesão ao processo mostra a possibilidade daquele casal conseguir se harmonizar.

Referências

Beck, A. T (1988). Love is never enough. New York: Harper & Row

Harris, R. (2009) ACT with Love: Stop Struggling, Reconcile Differences, and Strengthen Your Relationship with Acceptance and Commitment Therapy. Oakland: New Harbinger Publication.

Walser, R. D; Westrup, D (2009) – The mindful couple – how acceptance and mindfulness can lead you to the love you want. Oakland: New Harbinger Publications.

________________________________________

Thays Babo é Mestre em Psicologia Clínica (Puc-Rio), na linha de Família e Casal. Tem formação em TCC pelo CPAF-RIO e extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso pelo IPq (USP). Atualmente cursa a formação em Terapia do Esquema.

Atende jovens e adultos em terapia individual, terapia pré-matrimonial e terapia de casalem Copacabana. Durante a pandemia, a maioria dos atendimentos é online.

Durante a pandemia de coronavírus, todos os atendimentos são online.

Terapia pré-matrimonial – vamos falar sobre isto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nosso linktr.ee: https://linktr.ee/espacopsisaude

You have successfully subscribed to the newsletter

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Espaço Psi-Saúde will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.