Se você decidiu que esta é a hora de começar a psicoterapia, fico feliz por você. Há muita gente que sabe que precisaria fazer mas tem medo de ser vista como ‘maluca’, ‘problemática’ e não vence seus próprios preconceitos. Não procura nunca.
probl
Sinceramente, acho que TODA E QUALQUER PESSOA deveria, pelo menos por um tempo em sua vida, passar por um processo psicoterapêutico para conhecer-se melhor, superar suas dificuldades, enfrentar seus medos e construir uma vida mais plena e satisfatória, compatível com seus valores. Mas, ok, sou psicóloga e você pode pensar que estou falando em causa própria. Tudo bem, vamos em frente.

Muitas vezes, quem busca um profissional de Psicologia fica em dúvida em relação a como escolher. Algumas pessoas, por terem algum conhecimento – leigo – de Psicologia, procuram pela abordagem teórica. Outras procuram pedindo a colegas ou conhecidos indicação em função de proximidade do local onde moram, trabalham ou estudam. Há também os que procuram pelo custo que possa pagar.

No blog http://blog.ctrinstitute.com/finding-the-right-counsellor/ 7, alguns critérios são sugeridos para facilitar a escolha. Adaptando um pouco, destacamos então os seguintes:

– Pense no tipo de profissional que você quer.
É para uma questão específica? Ou para um autoconhecimento a longo prazo, sem pressa? É importante saber se sentiria mais à vontade com um homem ou uma mulher como terapeuta. Também é importante definir se a psicoterapia deveria ser individual, de casal ou familiar…

– Peça recomendações.
Se você tem alguém próximo que faça psicoterapia ou que seja psi, fica mais fácil. E se a pessoa indicada não puder por algum motivo atender você – ou não servir ao tipo de terapia de que você precisa, pode indicar outro que possa atender melhor às suas necessidades. Não desista fácil.

Man-making-counsellor-selection-deciding-between-two-options-in-color-846x598
– Cheque referências locais.
Caso não tenha conseguido recomendações de conhecidos, a internet hoje é uma importante ferramenta nesta busca, por região ou tipo de interesse. Você consegue bastante opções.

– Contate diretamente o/a psi que você escolher.
Algumas pessoas param nesta fase, por temerem falar com alguém que precisa de psicoterapia. É importante lembrar que os profissionais são formados e treinados para ajudar pessoas que tenham passado por vários tipos de problemas. Falar por telefone pode até ser melhor do que mandar um e-mail ou whatsapp, pois pela forma com que a conversa flui ao telefone já se tem uma noção da empatia.

– Entrevista
Você pode ter conseguido várias indicações e estar na dúvida. Marque entrevistas com os profissionais indicados e veja o quanto você se sente à vontade para se expor. Você tem o direito de perguntar sobre o método de trabalho e avaliar se a parceria pode ser boa. Procure saber se o/a psi trabalhou com questões semelhantes às suas e se sente confortável ou tem expertise para trabalhar a situação que faz você procurar psicoterapia. Agende pelo menos uma entrevista para saber se quer estabelecer o vínculo psicoterapêutico com o/a profissional contactado/a.

– Use sua intuição
Ela é imporante para um bom rendimento da terapia. Avalie o quanto se sentiu bem e à vontade – considerando o contato por telefone e a entrevista. Muitas vezes alguém super conceituado academicamente pode não ser tão empático, não deixando a pessoa à vontade, o que vai fazer com que em pouco tempo não se tenha vontade de ir às sessões. É importante considerar isto! Não bastar ter um bom currículo, bons psicoterapeutas têm de ter empatia e consideração bem desenvolvidos, fazendo seu cliente se sentir confortável. E se você não se sentir à vontade, seria muito bom que você se sentisse capaz de expressar isto, dizendo as reais razões. Às vezes é algo contornável; noutras, pode ser feito um encaminhamento para outro profissional, que se adeque melhor ao seu perfil e necessidades.

Então, dê um passo à frente, em direção a uma vida mais plena de significados.
_____________________

Thays Babo é Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, na linha de Família e Casal, tendo formação em TCC pelo CPAF. Mais recentemente vem trabalhando com com a Terapia de Aceitação e Compromisso. Atende a jovens e adultos no Centro (Rio).

Como escolher um/a psicoterapeuta?
Classificado como:                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.