A vida pede que a gente faça escolhas todos os dias, o tempo todo. O nível de complexidade das decisões varia muito: podem ser das mais triviais – “o que vou vestir hoje?” – às mais complexas  – “aceito o desafio deste emprego ou continuo fazendo o mesmo de sempre?” , “quero mesmo casar e ter filhos?” , “vou na festa da família de final de ano?”.

Muitas pessoas consideram que escolher e, pior, renunciar às outras opções é doloroso e traz muito sofrimento. Pesam todas as opções e muitas vezes se paralisam pelas ideias, muitas vezes catastróficas, sem que haja nenhuma evidência de que seus temores se concretizarão. O sofrimento é basicamente mental e, por isto, opta-se muitas vezes por ficar na tão falada zona de conforto.

A zona de conforto não é um espaço físico;  seus limites são comportamentais:  a pessoa deixa de fazer coisas para se sentir segura, por estar familiarizada com seu status quo.  A ansiedade fica “sob controle”, já que não se expõe ao risco.  Em contrapartida, o crescimento fica restrito e, com o tempo, percebe-se que o preço pago foi alto  demais. Infelizmente, às vezes fica muito tarde para voltar atrás e ir na direção do que realmente se quer. 

é importante se lançar, a vida não espera indefinidamente - "a existência não pode ser adiada"

É importante se lançar já que a vida não espera indefinidamente – “a existência não pode ser adiada”.

Percebendo as limitações impostas pela zona de conforto, há quem busque ajuda psicoterapêutica. As  diferentes abordagens psicoterápicas abordarão o problema por ângulos variados. 

Abordagens existenciais propõem que, frente ao risco de escolher , a pessoa pode paralisar. Muitas vezes é a angústia de morte, a consciência a finitude, que impede que a pessoa se lance. Na era digital, os temores aumentaram. Vivendo cada vez mais em exibição para outros olhares, agora se tem também o medo do fracasso público, do julgamento social. A vergonha é um dos sentimentos que se evita a todo custo. Mas, com tamanha exposição, não se pode  controlá-la 100 porcento.

As abordagens comportamentais consideram que não sair da zona de conforto, esquivando-se da dor, limita o repertório experiencial. Repetindo o comportamento de evitação, a pessoa se restringe mais e mais e,  mesmo na ‘segurança’ de uma gaiola de ouro,  a médio ou longo prazo, pode desenvolver uma série de sintomas. 

Em geral, não há criatividade na zona de conforto. Nada floresce.

A criatividade na zona de conforto não é estimulada, regada.

A Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) conscientiza   sobre a importância das emoções, mesmo as ‘negativas’ – ou melhor, desconfortáveis -, como o medo. Não se tenta eliminar a ansiedade a qualquer custo. Pelo contrário: o/a psi vai trabalhar para que o/a cliente ouse experimentá-la, viver apesar dela, com ela e observando-a sem a alimentar. 

Um ensinamento básico da ACT é que “o controle não é a solução, o controle é o problema” e, por isto, a tentativa de ter o controle total da vida é fadada ao fracasso, apesar do ‘conforto’ que este pensamento traz. Na ACT, a abertura emocional bem como a flexibilidade psicológica são extremamente importantes e dão sentido à vida.

Conheça esta abordagem, bastante recente, que faz parte da terceira onda das terapias contextuais. Experimente mudar rumo aos seus valores pessoais. 

Referências:

Hayes, Steven C.; Luoman, Jason B.; Walser, Robin D. (2007). Learning ACT: an acceptance & commitment therapy skills-training manual for therapistsOakland: New Harbinger Publications.

Hayes, S. C. (2005). Get out of your mind and into your life: the new acceptance and commitment therapy. Oakland: New Harbinger Publications.

______________
Thays Babo é Psicóloga Clínica, Mestre pela Puc-Rio, com formação em TCC pelo CPAF-RIO e extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso pelo IPq (USP). Atende a jovens e adultos em terapia individual ou de casal, no Centro do Rio e em Copacabana.

A prisão da zona de conforto
Classificado como:                                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.