Do mesmo diretor de Quatro Casamentos e um Funeral e Notting Hill, estreou em dezembro aqui no Brasil o filme Questão de Tempo. Nele podemos exercitar a ideia fantástica de viajar no tempo. Algo que não deveria ser tão difícil assim para nós, visto que o tempo é uma convenção…





Questão de tempo é um destes filmes ‘gracinha’, com jeito de comédia romântica, mas que nos faz refletir sobre o que faríamos se pudéssemos voltar e mudar trechos da nossa história. Quais momentos mudaríamos, e o que isto desencadearia? Tendo a noção do que acontece no futuro, teríamos maturidade para enfrentar o que tem de ser feito e abrir mão de coisas – ou pessoas – que amamos? Ou seríamos meros controladores, evitando ao máximo tudo o que traz dor (mas também crescimento?)

De certa forma, Questão me remeteu a Brilho eterno de uma mente sem lembranças, justamente pela possibilidade de evitar a dor. É bem verdade que Tim, protagonista de Questão, apesar da idade, é muito mais bem resolvido do que Joel, personagem vivido por Jim Carrey em Brilho. Talvez por ter tido um pai muito equilibrado – o ótimo Bill Nighy – Mas, ‘e se’ você pudesse controlar e alterar?

____

Thays Babo é psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, associada a ATC-Rio e atende no Centro.

No controle
Classificado como:                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.