Nem tudo o que você pensa é verdade. E você tem de se lembrar disto, sempre. Nossa maior riqueza, o que nos diferencia dos animais irracionais é nossa capacidade de pensar, relembrar e planejar. Nossa mente, enfim. Mas ela também pode ser sua maior causa de sofrimento. Pode ser grande amiga ou terrível inimiga. Ou seja: não acredite em tudo o que você pensa. 

Mas o que causa tanto sofrimento mental? 

O que pensamos e que, muitas vezes, não têm nenhum fundamento real, substancial. 

Como sofremos com o que pensamos?

Quando remoemos crenças e lembranças, lamentamos o que perdemos ou o que se passou. Ficamos presos ao passado.

Ou, projetando o futuro, o vemos como sombrio e desesperador. Imaginamos catástrofes, diálogos que nunca acontecerão. 

A imagem abaixo,  amplamente conhecida nas redes sociais, ilustra bem o que acontece: saímos da experiência do momento presente e vamos para o futuro ou para o passado. 

Ao fazermos isto, perdemos o que temos à frente, no aqui e agora.

Enfim, temos a mente mais complexa mas também a que produz mais sofrimento. 

Depressão: vivendo no passado

Simplificando bem, pode-se dizer que pessoas com tendência à depressão têm maior tendência a viverem com suas lembranças, boas ou ruins. Vivem no passado. Perguntam-se muito o que poderia ter sido se tivessem feito escolhas diferentes.  

A pergunta “E se?” só aumenta angústia.

Há aquelas pessoas que parecem ter uma nuvem negra constantemente pairando sobre suas cabeças, com todas as áreas ‘dando errado’. “Ruminam” tudo o que se passou, revisitam e repassam o que falaram, ficam se acusando. Tem pouca autocompaixão.

Ansiedade: vivendo em um futuro ameaçador

Quem tem tendência à ansiedade, vive esperando um futuro sombrio, perigoso. A mente assim em alarme pode, às vezes, até contribuir para que o pior se concretize, numa espécie de profecia autorrealizada.

Mas há pessoas que sofrem de ambos, têm uma depressão ansiosa.  Perdem o hoje, única realidade que se tem, onde se pode fazer algo – até para planejar o futuro melhor, de acordo com os valores pessoais.

E como fazer diferente? Como mudar a chavezinha mental? Estes padrões são muitas vezes trazidos de nossa família de origem. 

A chave para a saúde mental é ser flexível

Stephen Hayes, um dos criadores da Terapia de Aceitação e Compromisso, escreveu um livro de título instigante: Get out of your mind and into your life.

Mas, como “sair de dentro da sua mente e entrar na sua vida“? 

Reconhecer a dificuldade de sair da inércia e procurar ajuda deveria ser o primeiro passo. Muitas vezes leva tempo.

O tempo para a psicoterapia

Como psicóloga, muitas vezes sou contactada  para saber sobre disponibilidade de horários. Passa-se um certo tempo, e só meses depois a pessoa retoma o contato e começa. Há um tempo interno para decidir começar a psicoterapia.

Ao longo das sessões, vem surgindo à consciência o que causa o sofrimento ou insatisfação. A pessoa começa a perceber o que  pode fazer, ou não, para mudar, na direção do que se quer.

Reconhece que estratégias que usou muito tempo não deram certo. Percebe que precisa desistir delas.  Não é fácil.

Nem todo mundo suporta.

Ao procurar psicoterapia, muita gente espera que o(a) psi resolva tudo.  Mas, na real, o trabalho mais difícil cabe a quem procurou a psicoterapia. Jogamos uma luzinha na direção do que pode estar contribuindo para o sofrimento mas é escolha do(a) cliente continuar clareando a área. Ele(a) tem de se comprometer com seu processo. 

Compromisso

Talvez os passos seguintes sejam mais difíceis de dar.

Importante frisar que nenhuma abordagem de psicoterapia pode propor extinguir o sofrimento. Sofrer faz parte da vida.

Assim como bons momentos, alegrias, encontros acontecem, perdas, separações, doenças, envelhecimento e a morte também chegam. E, muitas vezes, de forma inesperada.

A psicoterapia pode, no entanto, ajudar a expandir a consciência e a abertura diante da vida – apesar de todas as possibilidades de sofrimento. 

Se a pessoa não quer (algumas vezes não pode, mas no mais das vezes nem tenta) fazer mudanças, pode desistir do processo e optar  por uma terapia exclusivamente medicamentosa, com a ilusão de que será suficiente.

Afinal, ela precisa mesmo de  mudar hábitos ou romper um relacionamento, pedir as contas, se mudar, afastar-se de quem lhe faz mal. 

Memórias

Lembranças mais remotas, que nem conseguimos acessar facilmente, de vez em quando vêm com força total.

Stephen Hayes, em um depoimento muito pessoal, relata em uma apresentação como percebeu que uma situação ainda repercutia na sua mente, em situações recentes e como aprendeu a lidar com a lembrança.

Às vezes estes insights acontecem no consultório, ao se experimentarem algumas técnicas vivenciais, como as da Terapia do Esquema.

Outras vezes, podem surgir espontaneamente através da meditação – importante aliado da psicoterapia atualmente.

Crenças disfuncionais

Como dito anteriormente, muitas crenças disfuncionais aprendemos em família. E as alimentamos diariamente,  tais como ‘o mundo é perigoso’, ‘ninguém é confiável’, ‘todos os problemas são minha culpa’.

Existem muitas outras que limitam a sua vida. Impedem você de viver.  Dê-se a chance de questioná-las. A diferenciar quais são as protetivas e quais são as impeditivas.

Crenças disfuncionais sobre a psicoterapia

Outra crença popular é de que “psicoterapia é coisa para maluco”. Ou de que é só de quem não tem amigos.

setting terapêutico é um lugar em que a pessoa pode deixar as máscaras de fora e encarar o que dói, os sentimentos mais negativos e doloridos que, às vezes, não se consegue compartilhar com mais ninguém. 

Aprenda a ficar no momento presente, a diferenciar o que é real ou não, o que é útil para você caminhar na direção dos seus valores pessoais. 

Aprenda a enfrentar seus medos, respeitando-se, com auto cuidado, auto compaixão, estendendo este mesmo carinho para as suas relações pessoais.

Experimente. Faça psicoterapia. 

_______________________________________

Thays Babo é psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica pela Puc-Rio, com formação em Terapia Cognitivo-Comportamental pelo Cpaf-Rio  e formação em Terapia do Esquema, pela Wainer Psicologia. Também concluiu o  curso de extensão em Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT), pelo IPq- USP.  

Atende online e presencialmente em Copacabana  a jovens e adultos, em terapia individual , terapia pré-matrimonial ou de casal.

Não acredite em tudo o que você pensa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nosso linktr.ee: https://linktr.ee/espacopsisaude

You have successfully subscribed to the newsletter

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Espaço Psi-Saúde will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.